Entenda o que são marketplaces de aluguel de produtos

Entenda o que são marketplaces de aluguel de produtos

206
0
SHARE
Marketing direto: como utilizar em seu e-commerce
Marketing direto: como utilizar em seu e-commerce

 

A definição mais simples para um marketplace é pensar nele como um shopping virtual: vários vendedores em um só lugar. Lojas como Mercado Livre, OLX, Enjoei, Dafiti e Netshoes são exemplos bastante conhecidos de grandes sites de e-commerce que intermediam a venda de produtos entre vendedor e consumidor. Mas as vendas não precisam ser a única fonte de renda de um marketplace!

Em tempos de economia colaborativa em alta, compartilhar é sempre uma opção sustentável, não é mesmo? Dessa ideia estão surgindo marketplaces que conectam pessoas interessadas em adquirir itens apenas temporariamente, ou seja, alugar.

Para um modelo de negócios de aluguel de produtos em um marketplace, algumas premissas devem ser levadas em consideração para garantir o sucesso. Entenda o funcionamento:

Critérios para escolher seus parceiros que ofertam produtos

O produto divulgado no site de um marketplace não é seu, você não vai vendê-lo e, sim, alugá-lo, mas é responsabilidade do seu negócio oferecer uma boa experiência de consumo desse serviço ao seu cliente. Portanto, ao captar os primeiros fornecedores do produto escolhido, inicialmente, procure por lojas em vez de pessoas físicas para validar o modelo de negócios com mais segurança e garantir que haverão itens para ser entregues.

Após comprovar qual é a melhor forma de logística para permitir o aluguel de um item, faça como o Uber: construa um pequeno treinamento para quem estiver na ponta fornecedora falando da melhor forma de entregar o produto e sobre como apresentá-lo. E lembre sempre a este parceiro que quando um ganha, todos ganham!

Investimentos em marketing digital

Quem garimpa produtos na internet costuma entrar em diversos sites e pode não tomar uma decisão de imediato. Então, encontre meios de captar emails dos visitantes, ofereça descontos para que se cadastrem e se interessem pela compra, faça campanhas de remarketing e procure estar na lembrança desses possíveis clientes. Lembre-se que o marketplace é uma plataforma multimarcas e se você quer gerar vendas e renda para seu negócio e para quem comercializa, você precisa construir a marca do seu shopping virtual.

Atenção à entrega e à devolução do item alugado

A diferença entre um marketplace que vende produtos e um que aluga está na logística reversa: o produto chega ao consumidor e, depois, ele deve voltar ao proprietário. Portanto, não deixe toda a responsabilidade desse compromisso de entrega com o proprietário do objeto, afinal, também é o nome do seu negócio de aluguel de itens que está em jogo.

Uma forma de acompanhar essa atividade é combinar com quem dispõe a alugar que dê ao cliente a opção de retirar o item, caso estejam na mesma cidade, ou que receba em casa via correio e que essa troca seja feita em, por exemplo, no máximo 2 dias úteis. Outra boa prática é que após a postagem ou entrega do item, quem oferece o objeto em questão ao aluguel deve atualizar o status do produto no site.

Marketplaces de aluguel de produtos

Acumular mais coisas em casa e desembolsar um dinheiro que não precisaria ser gasto são ações que muita gente evita. Isso é bom para a economia pessoal, para o planeta e para geração de negócios como o marketplace.

Mas você sabe como funciona o aluguel de itens como roupas, malas, ferramentas e móveis, por exemplo? O que a maioria dos sites faz é colocar um valor de locação por dia, assim, quanto mais tempo você fica com um item, maior o valor a ser pago. Nesse cenário, o ideal é que você alugue com alguém da mesma cidade, para não haver ou reduzir custos com frete, além de ter o item em mãos mais rapidamente.

O marketplace fica com uma pequena porcentagem do valor de aluguel por divulgar aquele produto e intermediar a troca.

De videgoames a barcos, já existem marketplaces de aluguel de produtos para quase tudo! Dá uma olhada em alguns que estão crescendo no Brasil:

Aluguel de Malas: GetMalas

Já pensou em economizar na sua viagem poupando até 85% do que gastaria em uma mala? A quantia seria suficiente para passeios extras, jantares e compras no destino. Por isso, o aluguel de malas tem ganhado força!

Permitindo que quem tem mala alugue para quem não tem e sabe que não é o momento de comprar, o GetMalas está presente em muitas cidades como Manaus, Bauru, Ribeirão Preto, Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Curitiba, Porto Alegre e outras. Você escolhe as malas online e opta se prefere receber em casa ou retirar, o que agiliza o processo.

Aluguel de barcos: EasyBlue

Quer navegar pelas praias brasileiras mas ainda não pode investir naquele iate dos sonhos? A EasyBlue, como o nome já diz, tem um jeito fácil de resolver esse problema: aluguel de barcos!

Com vários modelos disponíveis como catamarãs, veleiros e lanchas, o preço varia bastante. De toda forma, é um marketplace que evita barcos encostados e permite que mais pessoas possam curtir um dia no mar!

Aluguel de roupas: Armário Compartilhado

Comprar uma roupa e nunca mais usá-la! Se ainda não passou por isso, certamente conhece quem vive o dilema de investir em vestuário e usar o que foi comprado uma ou outra vez. Daí nasceu a ideia do Armário Compartilhado, site que permite o aluguel de roupas para qualquer ocasião.

Além dos marketplaces de aluguel de produtos citados aqui, basta pensar um pouco para se lembrar de gigantes que usam a economia compartilhada para gerar mais valor aos clientes e renda para a empresa e para os parceiros. O Uber, Cabify, Airbnb e locadoras de carro são exemplos dessa nova economia que está trazendo novos ideais de consumo. Portanto, fique atento à tendência de aluguel de produtos para estruturar um negócio caso queira estruturar um marketplace nesse formato!

Você investiria nessa ideia de e-commerce? Tem dúvidas sobre o assunto? Comente!

LEAVE A REPLY