e-Books agitam mercado

e-Books agitam mercado

1356
0
SHARE

Desde os tempos dos gregos, quando os livros eram escritos em pele animal, o mercado editorial não deparava com tamanha agitação. No epicentro desta revolução estão os ebooks ou livros virtuais, um computador portátil de leitura que tomou conta do mundo, ameaçando o reinado do papel e tinta. Na indústria de tecnologia, ebooks  são sinônimos de lucros. Para editoras, um aliado na tentativa de aumentar o faturamento. E para os leitores significa economia de tempo e dinheiro. O ebook reader parece livro, tem formato de livro, mas não é livro. Trata-se de um leitor digital que armazena até 4 mil páginas, algo em torno de 10 obras, em sua memória. Uma vez terminada a leitura das obras completas de William Shakespeare, basta devolver o arquivo (para uma biblioteca no computador) e comprar, pela Internet, o último livro de Paulo Coelho também no formato de ebooks.

O furacão digital já criou no Brasil uma rede de pequenas editoras on line. A iEditora foi pioneira. Lançada no mês passado, ela edita, distribui e vende ebooks via Internet. São 1.400 títulos de 30 editoras, entre elas Nobel e Melhoramentos. Em poucas semanas, foram baixados 1,2 mil ebooks. A estratégia da iEditora é preparar o mercado nacional para a explosão dos ebooks. Como num balão de ensaio, começou vendendo ebooks em formato PDF, um programa de leitura disponível em qualquer computador. O internauta pode baixar o ebooks e ler no computador ou em equipamentos como o Palm Pilot. “Em poucos meses, nossa tecnologia será convertida para atender todas as marcas de ebooks”, lembra o criador do site, Victor Kupfer. “Livro não é formato, é conteúdo.” Nos Estados Unidos, os ebooks viraram febre. Lançado em julho de 1998, e custando entre US$ 200 e US$ 600, o ebook reader vende muito.

Se o sucesso dos aparelhos ainda não tem números, pode-se ter uma idéia do tamanho do mercado que o circunda: o das e-editoras que fornecem conteúdo digital. Só as americanas jogarão na Internet, este ano, 150 mil novos títulos em ebooks batendo os lançamentos em papel. Hoje, o mercado editorial é o maior interessado em popularizar os ebooks. Grandes editoras como Penguin, RandomHouse, Simon & Schuster e HarperCollins, descobriram um novo, e barato, canal de distribuição de literatura. Basta transformar palavras impressas em pixels (a linguagem digital). Para o mercado editorial brasileiro, cujo faturamento despencou 21% em 99, não poderia existir notícia melhor. Levantamento da Câmara Brasileira de Livros mostra que as vendas caíram de R$ 369 milhões para R$ 295 milhões. O diagnóstico? “O livro concorre com a Internet, uma forma de informação a custos mais baixos”, afirma o relatório. Só por aqui, acreditam alguns editores, os ebooks podem alavancar em 30% o faturamento da indústria. “Se esta for a evolução do livro, seguiremos a tendência”, pondera Pedro Herz, da Editora e Livraria Cultura.

Custo dos ebooks são menores

Parte do sucesso dos ebooks são os custos envolvidos. Bem menores, é claro. Tome-se como exemplo um editor tradicional. Para lançar 3 mil exemplares gasta-se R$ 10 mil. No sistema eletrônico, os ebooks são digitalizados uma única vez, ao custo de R$ 100. E acabaram-se os gastos! Se ele vender um ou 10 mil ebooks, seus custos físicos são iguais. “Na edição tradicional, tenho de vender 50% do total apenas para cobrir meus gastos”, compara Sergio Benclowicz, diretor de marketing da Nobel, a terceira maior editora brasileira, com faturamento anual de R$ 40 milhões. Rompendo a tradição familiar, de 58 anos de mercado, a Nobel começa a vender ebooks nos sites de editoras virtuais. “Meus custos vão cair muito”, diz Breno Lerner, diretor-geral da Editora Melhoramentos, que também apostou no ebooks. “Não é competição. É um novo canal de distribuição.” Apesar disso, ninguém é louco de dizer que os ebooks substituirão o livro de verdade. As telas dos ebooks reader ainda não têm boa definição. Falta cor e há problemas gravíssimos de bateria – o livro “funciona” entre 4 e 9 horas por dia. Imagine-se a cinco páginas do final do último thriller de P.D. James e sem bateria para seguir a leitura… E há o principal dos problemas: alterar o hábito ancestral da leitura em papel. “Existe uma ligação emocional entre o leitor e os livros físicos que não vai acabar tão cedo”, lembra Luiz Schwarz, da Companhia das Letras. É uma mudança que certamente não pegará entre os mais velhos. Mas as crianças de hoje poderão crescer com um lendo ebooks– e ter uma biblioteca maior que a de seus avós.

LEAVE A REPLY